Dark Eden, um dos primeiros MMORPGs a da história, vai ganhar uma versão com NFTs na mesma plataforma do fenômeno MIR4

Publicado em 30/12/2021 - 08h22 por Yohan Bravo

Se você curtiu o clássico MMORPG Dark Eden lá no início deste século, quando o game estava vivendo o seu auge, é bom saber que logo terá mais um bom motivo para revisitar essa aventura. Afinal, a desenvolvedora Softon Entertainment revelou que firmou um contrato com a Wemade, com vistas a criar uma versão do game contendo elementos típicos dos chamados jogos NFT… vamos entender melhor essa história?

Diminua o lag em jogos online de forma simples
  • Experimente gratuitamente o ExitLag, programa criado de jogadores para jogadores com o intuito de diminuir o lag e liberar as zonas congestionadas de sua conexão, oferecendo um gameplay sem os temidos travamentos de lentidões. Clique aqui e experimente!

De acordo com o comunicado liberado pela Softon Entertainment, o contrato assinado com a Wemade considera o desenvolvimento de uma nova versão do MMORPG Dark Eden. Nessa versão, o game receberá diversos ajustes para acomodar elementos de jogos NFT e se tornar um verdadeiro game Play-To-Earn. Aliás, parece que o título será disponibilizado por meio da plataforma Wemix, que é a mesma na qual o fenômeno MIR4 se encontra. Com base nessas informações, podemos dizer que o clássico MMORPG tem tudo para fazer um “retorno” triunfante, aproveitando a “onda dos jogos NFT” e garantindo aos players mais algumas boas horas de diversão, enquanto eles faturam uma boa grana.

Para quem não se lembra, Dark Eden é um MMORPG que apresenta construções isométricas no estilo Diablo e se destacou no início deste século por defender o título de primeiro MMORPG de horror de todos os tempos. Quem se dedicou ao game no passado costumava elogiar os conflitos PVP e a forma como as transições entre dia e noite acabavam afetando o gameplay. Em outras palavras, temos aqui uma aventura interessante que pode vir a ganhar uma sobrevida com a adição de NFTs. Logicamente, o ideal é a gente ficar de olho nas novidades, a fim de saber como a “nova versão” vai se comportar na prática.